Notícias

Rihanna condena o governador do Alabama por assinar a proibição do aborto como lei.

Na noite de quarta-feira, a governadora do Alabama, Kay Ivey, assinou a lei de aborto mais restritiva do país. A Lei de Proteção da Vida Humana do Alabama torna crime os médicos realizarem procedimentos de aborto em qualquer estágio da gravidez da mulher, sem exceções para casos de incesto ou estupro.

Mulheres em todo o país levaram para as redes sociais para denunciar a proibição restritiva, incluindo Rihanna.

A cantora colocou uma foto dos legisladores que votaram a favor da aprovação do projeto. “Estes são os idiotas que tomam decisões para mulheres na América. Governador Kay Ivey … VERGONHA !!!!”

A legislação é uma proibição quase total do aborto, a lei mais restritiva aprovada desde que a Suprema Corte decidiu em Roe v. Wade em 1973. A legislação criminaliza o aborto, classificando-o como um crime de Classe A, significando que os médicos podem enfrentar até 99 anos na prisão devem realizar o procedimento.

Outros estados em todo o país estão passando a legislação que desafia o direito constitucional estabelecido em Roe v. Wade, incluindo Ohio, Indiana, Louisiana, Geórgia e muito mais. A onda de restrições anti-aborto chega depois que o equilíbrio ideológico da Suprema Corte mudou quando Donald Trump escolheu Brett Kavanaugh para substituir a justiça moderada, Anthony Kennedy.

Organizações como o Centro de Direitos Reprodutivos e a American Civil Liberties Union prometeram contestar a lei do Alabama nos tribunais. “Todos os que se preocupam com as mulheres devem ficar alarmados com a insensibilidade e o extremismo dos políticos que procuram negar às mulheres a capacidade de tomar decisões sobre sua saúde e vida reprodutiva”, disse Nancy Northup, presidente e CEO do Center for Reproductive Rights. “A proibição do aborto criminal no Alabama, e todas as outras afrontas contra Roe v. Wade, serão desafiadas e bloqueadas nos tribunais.”

Sem comentários