Notícias

Mais de 305.000 crianças estão sem escolas em Moçambique devido às consequências do ciclone Idai.

Após os efeitos devastadores do Ciclone Idai em Moçambique no mês passado, aproximadamente 305.000 crianças não puderam frequentar a escola.

O UNICEF explicou a importância da educação em meio à situação do ciclone em um comunicado de imprensa recente. A organização humanitária informa que mais de 3.400 salas de aula foram danificadas nas regiões vizinhas, onde ocorreu o desastre natural com mais 2 713 danos na área de Sofala.

Os educadores da comunidade também estão sofrendo com a falta de material escolar, mas o UNICEF está determinado a ajudar a causa da maneira que puderem.

“O UNICEF e seus parceiros estão trabalhando para ajudar as crianças a voltar para a escola o mais rápido possível”, diz o comunicado. “Isso inclui o fornecimento de material educacional e kits de desenvolvimento infantil, estabelecendo centros temporários de aprendizagem, distribuindo tendas escolares, fazendo reparos nas instalações de água e saneamento, limpando e desinfetando escolas e treinando professores em apoio psicossocial a crianças.”

A organização lançou um apelo de US $ 122 milhões dos EUA para ajudar a apoiar as crianças e suas famílias que são afetadas pela Idai em Moçambique, Zimbábue e Malaui.

De acordo com a CNN, 300 a 400 foram lavados em uma estrada da cidade de Beira, em Moçambique. E na altura do dia 25 de março, o presidente moçambicano Filipe Nyusi disse que o país pode ter mais de 1.000 mortos após o ciclone. O comissário para Moçambique na Inglaterra, Filipe Chidumo, disse que o país precisa de ajuda nacional e internacional para superar esta tragédia: “um esforço sustentado por parte do governo moçambicano, bem como da comunidade internacional”, disse ele.

Sem comentários